fbpx
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Aenean commodo ligula eget dolor. Aenean massa. Cum sociis Theme

1-677-124-44227

184 MAIN COLLINS STREET WEST VICTORIA 8007

Etiam ultricies nisi vel augue. Curabitur ullamcorper ultricies
Top

Blog

8 pontos importantes sobre fascia e fitness

A Fáscia tem sido o centro das atenções na indústria do fitness como um dos temas mais quentes nas conferencias mais recentes sobre montagem de treinamento, workshops e publicações.

A DoFit separou um artigo para tentar esclarecer mais sobre esse assunto. Um ótimo lugar para se começar a entender melhor sobre a Fáscia é ler o artigo Thomas Myers, publicado em abril de 2011 no IDEA fitness Journal intitulado “Fascial Fitness: treinando na rede neuromiofascial” ele fornece ao profissional um arsenal de pesquisas e idéias sobre como treinar a rede fascial. Se isso instigar você a procurar por um estudo mais aprofundado, procure pelo livro do mesmo autor chamado “Trilhos anatômicos: maridianos miofasciais para terapeutas manuais de 2001 (Churchill Livingstone , 2001), que oferece uma perspectiva única sobre design interno do corpo e provocou a investigação sobre fáscia (ou tecido conjuntivo) e seu papel no movimento e função humana.
Este artigo oferece 8 pontos importantes sobre fáscia e fitness.

1. Miofascia é uma matriz 3D

A Fáscia forma uma matriz tridimensional contínua de apoio estrutural em torno de nossos órgãos, músculos, articulações, ossos e fibras nervosas ao redor do nosso corpo todo. Este arranjo fascial multidimensional e multidirecional também nos permite mover em várias direções (Myers 2001; Huijing 2003; Stecco 2009).

2. A Fáscia é um transmissor de força

Você já viu os atletas de parkour saltando de alguns prédios de dois ou três andares, amortecendo a queda e fazendo uma transição suave para uma corrida ? Como as articulações não explodem com o impacto da queda?
A resposta é que a força interna (de músculo) e força externa (gravidade e reação do chão) são transmitidas e dispersadas pelo corpo primeiramente através da rede fascial (desde que a força não seja tão grande). Fáscia ajuda a evitar ou minimizar o estresse localizado em um determinado músculo, articulação ou osso, e isso ajuda a reduzir o momento criado a partir pelas forças, principalmente por meio de suas propriedades viscoelásticas. Isto protege a integridade do corpo enquanto que ao mesmo tempo minimiza a quantidade de energia gasta durante o movimento.
As linhas miofasciais representadas no livro trilhos anatômicos nos dão uma imagem mais clara de como a fáscia atenua o stress e força através do corpo, dependendo da direção e aplicação de força (Myers 2001; Huijing 2003; Sandercock & Maas 2009).

3. Repetição é bom e ruim

A lei de Davis afirma que os tecidos moles, uma forma da fáscia, vai se remodelar (tornando-se mais duro e mais denso) ao longo das linhas de estresse (Clark, Lucett & milho 2008). Isso pode ter benefícios em um curto prazo e consequências a longo prazo. Quando praticamos um movimento repetitivamente, o tecido mole vai se remodelar na direção do movimento desejado para que o tecido se torne mais forte para trabalhar naquela direção em particular. A exposição a repetições por um longo período de tempo pode fazer com que a fáscia fique mais rígida ao longo da linha de tensão, mas fraca em outras direções, resultando num possível aumento de stress na própria fáscia ou imobilidade nas articulações vizinhas quando se deslocam em sentidos diferentes. O mesmo pode ser dito pela falta de movimento, como quando adotamos posições sentadas ou em pé por longos períodos durante dias, meses e anos.

4. Fáscia pode curar e ajudar na hipertrofia

Um estudo realizado em 1995 demonstrou que o estress mecânico (exercício) pode levar a hipertrofia de um ligamento, uma forma de fascia (Fukuyama et al. 1995). Novos estudos demonstram que o sistema da fascia tem a habilidade de se regenerar após ser machucado. Um outro estudo encontrou algumas pessoas com lesão no ligamento cruzado anterior (LCA) foram capazes de retornar à função normal sem cirurgia e apresentaram o LCA completamente curado (Matias et al. 2011). À medida que aprendemos mais, poderemos ver novos tipos de técnicas de reabilitação, bem como mudanças no que acreditamos ser a forma ideal para alguns exercícios.

5. Fáscia pode contrair

Os Miofibroblastos, que são organismos que permitem que o musculo se contraia, têm sido encontrados na fáscia (Schleip et al., 2005). Numerosos mecanorreceptores (órgãos tendinosos de Golgi, terminações de Ruffini, terminações Paciniform) também tem sido identificados dentro da matriz fascial; estes mecanorreceptores podem estar contribuindo para as contrações musculares e se comunicando com o sistema nervoso central informando sobre a quantidade de força através do tecido conjuntivo (Myers 2011). É teorizado que a contração da fáscia ajuda na estabilidade e gasto de energia. Mais pesquisas são necessárias para entender como a fáscia e os músculos se contraem em conjunto um com o outro e como essas contrações afetam o movimento como um todo e o que eles significam para os profissionais de fitness.

6. A Fáscia pode atuar independente do sistema nervoso central

A fáscia esta sempre sob tensão quando a gravidade está presente. Esta pré- tensão passiva tem sido chamado de Tono miofascial de descanso humano que Myers discute usando o princípio da tensigridade (Alfonse et al 2010; . Myers 2001). O Tono Miofascial de repouso fornece componente de estabilização em um baixo nível que ajuda a nossa postura e nos permite realizar movimentos como entrar e sair de um carro sem pensar sobre eles .
Como o tecido conjuntivo tem 10 vezes mais proprioceptors do que o músculo (Myers 2011), a matriz fascial nos ajuda a reagir ao nosso ambiente mais rápido do que a nossa consciência pode responder, como quando inesperadamente pisamos em falso, reagimos a um jogador adversário em uma partida ou retiramos rapidamente a mão de uma chapa quente.
Esta pré- tensão pode nos dar a capacidade de manter a postura com menor fadiga e tensão fascial quando comparada com a ativação muscular constante e gasto energético. Como uma anedota para isso, uma cliente minha descondicionada comentou sobre como ela conseguia ficar cozinhando por 8 horas seguidas em pé sem dor em um sábado, uma tarefa que ela não poderia ter realizado antes de iniciarmos nossos treinamentos. Poderia ser que o seu treinamento a tinha ajudado a melhorar a tensegridade e aumentado a pré- tensão através da fáscia?

7. Influências do humor na fáscia

Em seu livro A rede infinita: Anatomia fascial e realidade fisica (North Atlantic 1996), R. Louis Shultz e Rosemary Feitis discutem como nossas emoções são armazenadas em nosso corpo, incluindo o tecido conectivo.
Eles escreveram que “A resposta física às emoções é através do tecido mole”. “A fáscia é o corpo emocional… Idealmente, os sentimentos são sentidos no corpo todo e as emoções viajam através da rede fascial. Nós, então, interpretamos a sensação fisiológica como raiva, afeição, amor, interesse e assim por diante… A razão pela qual o seu pescoço esteja rígido e difícil de ser alongado pode ser por causa de um trauma de ser continuamente intimidado durante sua infância. O trabalho físico vai apenas abrir parcialmente esse problema a menos que exista um reconhecimento de que pode haver uma origem emocional”.
Utilizando este conceito, o profissional do fitness pode desenvolver uma abordagem holística para compreender melhor a postura e o movimento, uma abordagem que os vê não apenas como físico, mas como emocional e psicológico também. Fáscia pode tornar-se mais dura e menos complacente quando um cliente está deprimido, ansioso e com medo (Shultz & Feitis 1996; Lowe 1989). Treinadores veem isso quando os clientes se apresentam para treinar após terem passado um dia muito ruim. O humor influencia bastante a postura, movimento e propriocepção. Talvez melhorar o humor pode melhorar o estado físico através da rede fascial.

8. A Fáscia nos permite treinar o corpo como um todo

No trabalho de Myers, dissecações demonstraram que o tecido conjuntivo não só envolve músculos, ossos e órgãos, mas o faz de forma consistente através de muitas camadas (Myers 2001). Este link nos conecta de forma holística em movimento e função. Para os atletas ou outras pessoas que procuram melhorar ou maximizar a função, a rede fascial nos dá uma razão para incorporar movimentos de corpo inteiro em nossos regimes de treinamento.
Quanto mais aprendemos sobre o nosso tecido conjuntivo, mais podemos integrá-lo com os outros sistemas do corpo (muscular, nervoso, esquelético) e obter mais conhecimentos sobre o movimento e desempenho humano. O uso das linhas miofasciais em nosso treinamento pode nos dar uma perspectiva única sobre como maximizar a nossa capacidade de aumentar nosso vigor, economizar energia e melhorar nossa resistência enquanto melhoramos nossa força e mobilidade multiarticular. Treinando o corpo como um todo em três dimensões, ao contrário de um treinamento isolado, pode ser uma estratégia perdida nos programas de exercícios para pessoas que procuram manter ou melhorar a capacidade física.

 

 

 

Referências

Alfonse, M.T., et al. 2010. Clinical, biomechanical and physiological translational interpretations of human resting myofascial tone or tension. International Journal of Therapeutic Massage and Bodywork, 3 (4), 16–28.
Clark, M.A., Lucett, S.C., & Corn, R.J. 2008. NASM Essentials of Personal Fitness Training (3rd ed.). Baltimore: Lippincott Williams & Wilkins.
Fukuyama, S., et al. 1995. The effect of mechanical stress on hypertrophy of the lumbar ligamentum flavum. Journal of Spinal Disorders, 8 (2), 126–30.
Huijing, P.A. 2003. Muscular force transmission necessitates a multilevel integrative approach to the analysis of function of skeletal muscle. Exercise and Sports Sciences Review, 31 (4), 167–75.
Lowe, J. 1989. Myofascial genesis of unpleasant thoughts and emotions. Digest of Chiropractic Economics, 31 (5), 78–81.
Matias, C.-P., et al. 2011. Spontaneous healing in complete ACL ruptures: A clinical and MRI study. Clinical Orthopaedics and Related Research, doi: 10.1007/s1199-011-1933-8.
Myers, T.W. 2001. Anatomy Trains: Myofascial Meridians for Manual and Movement Therapists. New York: Churchill Livingstone.
Myers, T.W. 2011. Fascial fitness: Training in the neuromyofascial web. IDEA Fitness Journal, 8(4), 36–43.
Sandercock, T.G., & Maas, H. 2009. Force summation between muscles: Are muscles independent actuators? Medicine & Science in Sports & Exercise, 41 (1), 184–190.
Schleip R., et al. 2005. Active fascial contractility: Fascia may be able to contract in a smooth muscle-like manner and thereby influence musculoskeletal dynamics. Medical Hypothesis, 65(2), 273–77.
Shultz, R.L. & Feitis, R. 1996. The Endless Web: Fascial Anatomy and Physical Reality (pp. 46–50). Berkeley, CA: North Atlantic Books.
Stecco, C., et al. 2009. Mechanics of crural fascia: From anatomy to constitutive modelling.Surgical and Radiologic Anatomy, 31 ( 7), 523–29.
IDEA Mind-Body Wellness Review, Volume 1, Issue 1

No Comments
Add Comment
Name*
Email*

Você também pode gostar de:

3 Motivos Pelos Quais Suas Costas Ficam Doendo

As dores nas costas estão aumentando e piorando no mundo, apesar de todo o dinheiro, tecnologia, pesquisas, medicamentos, restrições, aparelhos, cirurgias e nossas tentativas inúteis de isolar as costas como a culpada.Desde quando nós nos tornamos uma sociedade tão fraca e sensível que tem medo...

Ler Mais

30 min. para perder gordura By Isaac C. Hayes

Obtenha músculo, melhore o condicionamento aeróbio e queime gordura com um trabalho para o corpo inteiro com um treinamento em circuito.Isaac C. Hayes, iniciou a popularização do fitness, especificamente o circuit training. Se você tem dispensado o passado como mero resíduo da década “disco”, pode...

Ler Mais

4 Fatores que Preveem o Ganho de Peso

por Troy Purdom e Len Kravitz.Profissionais fitness gastam muito tempo ajudando as pessoas a perder peso, mas há outra forma de encarar este desafio: Quais são os principais fatores que levam as pessoas a ganharem peso?Compreender os comportamentos específicos que aumentam o risco de ganho...

Ler Mais

5 dicas para o personal trainer ter sucesso!!!

Alguns personal trainers têm um apetite insaciável por conhecimento e oportunidades de crescimento. Em um encontro anual de treinadores foi formulado um buffet educativo completo com todos os nutrientes necessários para suprir a crescente necessidade dos profissionais do fitness. As 5 dicas seguintes vindas desta...

Ler Mais

6 Fatores que preveem o ganho de peso:

por Troy Purdom e Len Kravitz, PhD em 23 de junho de 2015 Profissionais fitness gastam muito tempo ajudando as pessoas a perder peso, mas há outra forma de encarar este desafio: Quais são os principais fatores que levam as pessoas a ganharem peso? 
 Compreender os...

Ler Mais

6 Passos Para Novos Hábitos

por Derrick Price, MS em 06 de Set., 2017Use o ciclo do hábito para estabelecer novos hábitos diários que o ajudarão a alcançar o resultado desejado. Siga uma abordagem de seis passos para criar novos hábitos focados nos objetivos com seus clientes. Passo 1: Estabelecer Metas e MarcosContrário...

Ler Mais
WhatsApp DoFit